Intermediários

Processos, ferramentas e ambientes para objetivos subjetivos

O que é invisível a nós? Que coisas escapam aos cinco sentidos, que estão presentes mas não podem ser definidas? Ou seria a pergunta, o que é o invisível?

Um objeto é comum. Porém quando é portador de um poder, o que passa a ser? Um talismã, uma arma, um instrumento? O poder transforma o objeto em um veículo, uma ferramenta que permite ao seu operador realizar o objetivo proposto. Igualmente, uma área quando designada e delimitada passa a ser o espaço que possibilita o acontecimento do objetivo proposto. E interessam também os espaços de fronteiras pouco definidas, como são os espaços emocionais e espirituais, da mesma forma os dos sonhos e os das fantasias. Espaços estes que são abstratos e impalpáveis, que se permeiam e se confundem entre si, onde entramos e de onde saímos constantemente sem nos dar conta.

Os objetos-espaços atuam entre o físico, o psicológico, o emocional e o invisível. São intermediários e como tal passam a depositários de possibilidades, poderes e anseios. Pontuam o silêncio. São ações poéticas que existem no vazio entre as continuidades.

Rodrigo Cardoso, 2006

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Meio Ambiente e sociedade: conversa tirada do fórum do CCC.

"A verdade que somos IMENSAMENTE privilegiados... A Cotunduba tb é uma graça e tb tantas ilhas por aí, eu que tenho casa em frente as ditas “ilhas tropicais” da Costa Verde vivo de cara com a beleza. Pena que uma beleza distante pq qdo chegamos perto vemos que mais que a beleza, a humanidade é uma merda!

Das Cagarras já mandamos (o Jean) até foto para o Globo ecologia, na baia encontramos inumeras praias nas mesmas condições da praia dos Milixos, lá na Costa Verde é sinistro o numero de praias com lixo acumulado nas encostas e praias, seja trazido pelo mar ou jogados in loco por farrofeiros, pesacadores e as redes fantasmas e marisqueiros irresponsáveis... esses ultimos então só MATANDO! Eles arrancam os mexilhões com cavadeiras e inutilizam as costeiras, nada cresce só alga verde, alga verde...

Ontem passou um programa falando sobre oque seria necessario para reverter esse triste quadro de degradação... compromisso! O compromisso de cada cidadão e tb dos grandes, empresas e governos em todas as escalas. Nossa, juro que me parece tão impossivel... acho que estamos ferrados! Eu, daqui, vou tentando fazer minha parte e a parte de mais alguem... sou meio chata mesmo e perturbo toda irregularidade dessas, levo meu lixo e recolho mais o do entorno... Meu Marcão diz que vou acabar igual Chico Mendes, com uma bala na cabeça!!! Ahhh mas me da dor fisica, juro, é um aperto no peito e no final ALGUEM (clarooo que não to falando eu, ou só eu) tem que fazer alguma coisa. O ABUSO TEM SIDO A REGRA! E não pode ser assim... irracionais são os animais? acho que somos nós!!! De uma maneira construtiva temos que fazer a diferença!!!

Bom, vou parar pq senão desfio um novelo inteiro."

Raffa

-------------------------------

"Pois é, Raffa

Tantas campanhas pró ecologia mas a pobreza de espírito é generalizada... A cada dia acredito menos que haja solução... :("

Maurício

------------------------------

"Raffa,

Concordo com o seu desabafo, mas ainda tenho esperança, na verdade acho que somos vítima da esperança.

Atualmente trabalho no Projeto Grael e nesta semana do Meio Ambiente organizamos uma Gincana Ecológica e não esperava trazer um resultado tão positivo.

No dia 9, esta quarta, divididos nos turnos da manhã e tarde os alunos do Projeto Grael, que junto com professores e funcionarios fomos até a praia do Morcego ( pequena praia lotada de lixo que não tem acesso por terra que fica no caminho para Jurujuba- Niterói) e conseguimos recolher quase 400kg de lixo, desde pneus, inúmeras garrafas Pets. O mais positivo foi estimular o trabalho cooperativo.

Vamos visitar a praia do Morcego, pelo menos por um tempo estará muito menos suja. Um evento pontual, mas que vale por um estimulo a muitas outras ações parecidas.

Vamos mantendo contato

Forte abraço"

Vini

------------------------------

"Raffa,

Sua mensagem me fez lembrar da Guaíba. Ilha linda, 1/4 dela destruída para dar lugar ao porto mas o resto intocado, lindo. E quem é a dona. A Vale. A maldita Vale que gosta de fazer propaganda de ecologicamente correta. Não cuida nem de sua própria ilha. É lixo que não acaba mais, e ainda há uma construção em cima da areia. Dividiram a praia em duas, nunca tinha visto aquilo. É muito engraçado ver essas empresas que vivem do consumismo desenfreado e irracional fazendo propaganda sobre a felicidade, a ecologia, etc..."

Léo

------------------------------

"As campanhas ambientalistas parecem ter como único objetivo a conservação de recursos para que continuemos produzindo com custos reduzidos ao máximo e consumindo sem limites a preços irrisórios.

A questão ambiental extrapola a visão conservacionista e, segundo especialistas, o problema está nos valores adotados pelas sociedades. Hoje parece estar claro que se mantermos a mentalidade de que alto nível de consumo é sinonimo de qualidade de vida nada poderá ser feito. Daí aquela frase falando que a grande questão ambiental não é deixar um planeta melhor para as próximas gerações, mas sim deixar uma próxima geração melhor para o planeta.

Mas quantos de nós ao menos tenta passar valores mais humanos para os filhos? Quem hoje em dia é capaz de reduzir voluntariamente seu consumo sem se sentir menor por isso? Quem vai optar por um carro pequeno e mais econômico e deixar o carrão tração nas quatro na concessionária? Quem vai se deslocar de bicicleta? Alguém já pensou que o rendimento de um automóvel beira ridículos 3%, de forma que para cada 100 litros de combustível, apenas 3 servem de fato a transportar o condutor? Quantos de nós separa o lixo em casa? Quem ao menos sabe que a comlurb cobre mais de 90% da cidade com coleta seletiva?

O que quero dizer é que se os problemas são grandes e variados, mais diversas são também as possibilidades de ação.

É claro que as campanhas são importantes para chamar a atenção para os problemas sociais e ambientais que nos afligem, mas creio que somente com uma mudança radical de valores será possível superar a crise civilizatória na qual estamos submersos.

Sou da opinião de que tem jeito, sim. Sim, acho que há esperança. E não poderia ser diferente, a não ser que quisesse lavar minhas mãos e deixar tudo como está. Cada um de nós pode fazer algo de significativo, bastando para isso agir de acordo com sua consciência. Honestidade é isso. Segundo os filósofos estóicos (budistas e taoistas também) devemos agir de acordo com nossa natureza e só devemos nos meter com aquilo sobre o que podemos exercer nossa vontade. Não adianta querer mudar o mundo, pois isso está fora do nosso controle. A única coisa que controlamos (ou pelo menos podemos controlar) é a nossa vontade.

Se queremos devorar o mundo, o mundo será devorado, não tem jeito.

Então? Qual é nossa vontade? Temos fome de que afinal?

Vejam esse vídeo e respondam sinceramente.


E estejam certos de que o planeta não precisa de nós (ele vai se safar mais uma vez). Nós é que precisamos dele."
 
Rodrigo

Nenhum comentário:

Postar um comentário