Intermediários

Processos, ferramentas e ambientes para objetivos subjetivos

O que é invisível a nós? Que coisas escapam aos cinco sentidos, que estão presentes mas não podem ser definidas? Ou seria a pergunta, o que é o invisível?

Um objeto é comum. Porém quando é portador de um poder, o que passa a ser? Um talismã, uma arma, um instrumento? O poder transforma o objeto em um veículo, uma ferramenta que permite ao seu operador realizar o objetivo proposto. Igualmente, uma área quando designada e delimitada passa a ser o espaço que possibilita o acontecimento do objetivo proposto. E interessam também os espaços de fronteiras pouco definidas, como são os espaços emocionais e espirituais, da mesma forma os dos sonhos e os das fantasias. Espaços estes que são abstratos e impalpáveis, que se permeiam e se confundem entre si, onde entramos e de onde saímos constantemente sem nos dar conta.

Os objetos-espaços atuam entre o físico, o psicológico, o emocional e o invisível. São intermediários e como tal passam a depositários de possibilidades, poderes e anseios. Pontuam o silêncio. São ações poéticas que existem no vazio entre as continuidades.

Rodrigo Cardoso, 2006

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Globo Zona Sul

Saiu hoje no caderno Zona Sul do O GLOBO uma reportagem mencionado o CCC. 
Abração.
Bruno


segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Mauna Loa 2010 (2)

O sábado de sol iluminou a festa dos amigos de Niterói e fez a galera suar de montão pra vencer os 6 km da prova.
Eu e Edu chegamos a tempo de ver a largada das oc 1 femininas, mas nem lembro quem chegou na frente. Depois largaram as oc 1 masculinas. Nessa quem ganhou foi o Leo Silva, seguido pelo Jorge. Esses dois ainda fizeram a dupla vencedora das oc 2 masculinas, e nada poderia estar mais de acordo com as comemorações do dia de Zumbi. Nas oc 2 femininas quem ganhou foi a dupla Lelê e Teté. Cada uma mais roxa que a outra na chegada, por causa do calor e do esforço para vencer a forte dupla de Cabo Frio. Parabéns a todos competidores e parabéns também para os organizadores pela belíssima festa!
Acho que depois ainda teve as oc 2 mistas, mas não ficamos pra ver, pois já entrava um sudoeste chato que fez da volta pra casa parecer uma maratona. Segui com o Edu até o Forte da Laje e depois fui pra PV no meio de um mar traiçoeiro, agitado pelo sudoeste que entrava com força pela boca da barra. Como as traineiras e lanchas voltavam pra baía fugindo do vento, tive que ficar ligado o tempo todo pra não ser surpreendido por um piloto mais desatento.
No mais, o desembarque na PV foi tranquilo apesar do monte de banhistas nas beiradas. 
Valeu!
PS: Minha máquina fotográfica pifou. Depois vou roubar umas fotos da Carlinha pra colorir a postagem.


sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Mauna Loa Va'a 2010

O convite veio meio em cima da hora mas ainda dá tempo de se organizar pra prestigiar a última etapa do campeonato estadual de canoas havaianas que acontece nesse final de semana na Praia de Icaraí.  Sábado correm as oc1 e oc2 e domingo as oc6.
A edição 2009 foi o maior barato e super bem organizada e mesmo quem foi só pra torcer se divertiu pra caramba.


quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Enfim Sol!

Não fosse pelo despertador nem teria saido da cama tão cedo tamanho o desânimo. Felizmente não enfiei de novo a cara no travesseiro.
Céu nublado fazendo o dia parecer hesitante como eu essa manhã. Pedalada rápida até a PV. Duas oc 6 já na areia, mais uma oc 1 sendo carregada pelo Pedro e Suzana. Vem o Pedro:
- Vamos sair de duplo?
- Pode ser.
- Não sei não... na verdade estou cansado.
- Cadê Lelê?
- Saiu cedo.
- Tô indo, então. 
Jurupi tá na beira. As canoas já deviam estar longe, só uma que tinha acabado de sair estava voltando pra praia não sei por que.
Mar ainda meio cinza, como o céu. Agitado, ondulado, mas sem violência. Ladrando sem morder.

Virando o Leme, lá atrás da Pedra da Gávea e do Dois Irmãos o céu vai querendo ficar azul. Do lado de cá o Sol vai forçando passagem lançando raios por entre nuvens esgarçadas. E vai abrindo... Iluminando tudo ao redor.

 
Lá pelo posto 5 passa a canoa das meninas do PVV com Letícia no leme. Quantos sorrisos e bons dias!

Adiante um pouco Suzana acaba de mergulhar da canoa.

- Que água boa!
- Vai pro 6?
- Não, vou voltar.
- Volto com você.

Daí foi deslizar vagarosamente pelas conversas que nascem dos encontros no silêncio do mar. Paredes têm ouvidos. O mar não tem paredes.
Mais uma foto aqui, outra alí... mais uma, mais duas oc 6 passando em disparada rumo à praia...

Desembarque rápido, caiaque na base e enfim abraços, beijos e apertos de mão. Num dia promentendo um banho de sol, já tava garantido o banho na energia dessa gente da linha d'água.
Posso agradecer? Então, obrigado!

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Um belo amanhecer

Aloha amigos,
Hoje realmente valeu o amanhacer...acordamos cedo e partimos,eu e meu amigo Fitarone,pra mais um dia de treino...saindo do Leme as 05;45 da matina,testemunhei um belo nascer do Sol no Mar...ac cores variavam de azul claro ou turquesa,rosa ou salmão,cinza ou branco enfim,uma miscelânia de cores e já,bastante calor...chegando em frente a padaria e o boteco,(tem um pão com ovo danado de ruim como café matinal)visualizei outro bonito fenômeno da natureza:um belo arco-íris atrás do Cristo Redentor...como sempre espirítual a parada sabe?
Chegando na Praia da Urca vimos um bando enorme de Biguás pescando e se fartando com um grande cardume de peixinhos prateados...esses cormorões são bem engraçados...ao pousar na agua,eles espixam as patas e fazem as nadadeira de trem de pouso ou melhor,esqui de pouso,igual a um pequeno hidroavião...bem bacana e bem divertido ver os bichos pousando meio sem jeito e as vezes,catando cavaco...legal...
A remada foi igualmente engraçada...colocamos nossos queridos iniciantes para navegarem no leme...eita ferro!!como era a primeira vez dos malucos,nossos barcos ziguizaguiaram até a Fortaleza Santa-Cruz em niterói...mar calmo e derrepente..."caraca tonho!!tem um rodamoinho ali na frente?" o bacana do Alex com dois pirex na cara..."tem sim e vamos passar por dentro dele pra dar uma cascorada" disse eu...passamos sem problemas e de adrenalina virou endorfina..."valeu tonho!!passamos um sufuco não foi?"quem já foi pra Santa-Cruz sabe que colado na pedra da fortaleza,tem o maior reboliço...acho que tem um gênio maluco que mora ali...deixa pra lá...
Voltamos mais cedo como previsto e ficamos conversando e vendo os cormorões que ainda estavam no aeroporto internacional da P.U,realizando seu treino de como pousar sem virar uma vaca...legal amigos...uma remadinha daqui alí, pode proporcionar um dia bem bacana e feliz...bacana mesmo...quando se está feliz, a rotina do cotidiano é mais fácil de encarar...feliz após navegar então...é o máximo!!!

Grande abraço,
por Tonho Caranguejo

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Encontros e desencontros numa manhã chuvosa

Depois de muitos versos e rimas combinando um remadão até o Leblon, o sábado chegou nublado e chuvoso ameaçando fazer o passeio desandar. 
Amarrei a bike no poste às 7 horas e encontrei Janaína e Juréia na areia da PV já sendo preparadas. Jurupi descansava no seu suporte há mais de uma semana e devia estar ansioso para sair. Aos poucos também foram chegando os remadores do PVV e do Carioca Va'a que sem dar a mínima pra chuva começaram a montar três oc 6.

Por telefone Tonho e Edu confirmaram que estavam saindo da PU, então, Eu, Letícia e Carlinha seguimos para a ponta do Leme para esperá-los. Esperamos um pouco e como não apareciam seguimos para o Posto 6 remando lentamente para dar tempo de sermos alcançados. E daria tempo mesmo, pois a todo momento parávamos para fazer fotos.

O mar estava uma delícia. O fraco vento SW, apesar de levantar umas ondinhas, não chegou a atrapalhar a remada. Não sei por quê, mas mesmo com o vento contrário Jurupi andava solto e feliz no tapete verde. Nosso ritmo era de passeio de forma que no meio da travessia fomos ultrapassados pela primeira oc 6 que seguiu para o Arpoador. Logo depois, mais pra dentro da curva da praia, passaram as outras duas oc 6 com destino ao posto 6. Com mais alguns minutinhos chegamos na laje, onde fiquei parado ainda com a esperança de ver os amigos da PU.

Como as canoas começaram a voltar, e Edu e Tonho não chegaram, colocamos as proas na direção do Pão de Açucar e voltamos também. No trajeto o vento batia nas costas e as ondas iam tocando Jurupi num surf ritmado: rema, rema...desliiiiiza... rema, rema... desliiiizaaaa... Uma gostosura! Viramos a Ponta do leme, passamos atrás da Ilha do Anel, tiramos mais algumas fotos e encontramos um caiaquista do CRG perdido por alí.

Estávamos entregues a um doce farniente quando vimos passar Chico e Clóvis numa oc 2 que num descuido capotou perto da Ponta do Urubu. Taí a foto:

- Quanto você quer pra não divulgar essa foto? Perguntou Clóvis, brincando.
É verdade que Eu, Lê e Carlinha, cada um com uma máquina fotográfica nas mãos, parecíamos paparazzis procurando um furo fotográfico para as páginas dos nossos blogs.

Mais adiante, entrando na enseada da PV, tivemos a agradável surpresa de encontrar a canoa verde claro fluorecente conduzida pela Carol e pela Maíra lá do Mauna Loa de Charitas. Logo  foram cercadas pelos paparazzis oceânicos e bombardeadas de cliques. Como se não bastasse todo o prazer de estar no mar nesse dia especial ainda recebemos mais um premio precioso: o sorriso simpático da Carol. Que figura adorável essa Carol!

Ainda ficamos de bobeira nos deliciando com a água clara até que finalmente rumamos para a beira e desembarcamos em segurança na praia.

Quando já estávamos no estacionamento apareceu o Tonho pra dizer que ele e Edu tinham ido até a Cotunduba. Parece que demoraram a beça pra sair e por isso não nos encontraram. Ficamos batendo mais um papinho, fizemos fotos ao lado da Kombi da Ecosfera e partimos felizes com as bençãos de um dia cheio de surpresas.
Muito bom!