Intermediários

Processos, ferramentas e ambientes para objetivos subjetivos

O que é invisível a nós? Que coisas escapam aos cinco sentidos, que estão presentes mas não podem ser definidas? Ou seria a pergunta, o que é o invisível?

Um objeto é comum. Porém quando é portador de um poder, o que passa a ser? Um talismã, uma arma, um instrumento? O poder transforma o objeto em um veículo, uma ferramenta que permite ao seu operador realizar o objetivo proposto. Igualmente, uma área quando designada e delimitada passa a ser o espaço que possibilita o acontecimento do objetivo proposto. E interessam também os espaços de fronteiras pouco definidas, como são os espaços emocionais e espirituais, da mesma forma os dos sonhos e os das fantasias. Espaços estes que são abstratos e impalpáveis, que se permeiam e se confundem entre si, onde entramos e de onde saímos constantemente sem nos dar conta.

Os objetos-espaços atuam entre o físico, o psicológico, o emocional e o invisível. São intermediários e como tal passam a depositários de possibilidades, poderes e anseios. Pontuam o silêncio. São ações poéticas que existem no vazio entre as continuidades.

Rodrigo Cardoso, 2006

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Grupo de Estudo sobre Cartas Náuticas

Pra quem rema nas trilhas do mar, será uma excelente oportunidade para aprender a interpretar os dados de uma carta, localizar um ponto partir de suas coordenadas geográficas, determinar as coordenadas de um ponto, medir distâncias, estabelecer rumos e marcações, converter rumos e marcações verdadeiras em rumos e marcações magnéticas e mais um bocado de coisas interessantes.
Peguem seus esquadros, tranferidores e compassos e apareçam!
Encontros uma vez por semana, de 19 às 21 horas, no CCPAP.
Rua Benjamin Constant, 48 - Glória.

Para mais informações: trilhasdomar.contato@gmail.com

terça-feira, 20 de setembro de 2011

CARTA SOBRE A FELICIDADE

Carta de Epicuro a Meneceu.

Que ninguém hesite em se dedicar à filosofia enquanto jovem, nem se canse de fazê-lo depois de velho, porque ninguém jamais é demasiado jovem ou demasiado velho para alcançar a saúde do espírito. Quem afirma que a hora de dedicar-se à filosofia ainda não chegou, ou que ela já passou, é como se dissesse que ainda não chegou ou que já passou a hora de ser feliz. Desse modo, a filosofia é útil tanto ao jovem quanto ao velho: para quem está envelhecendo sentir-se rejuvenescer através da grata recordação das coisas que já se foram, e para o jovem poder envelhecer sem sentir medo das coisas que estão por vir; é necessário, portanto, cuidar das coisas que trazem a felicidade, já que, estando esta presente, tudo temos, e, sem ela, tudo fazemos para alcançá-la.
Pratica e cultiva então aqueles ensinamentos que sempre te transmiti, na certeza de que eles constituem os elementos fundamentais para uma vida feliz.
Em primeiro lugar, considerando a divindade como um ente imortal e bem aventurado, como sugere a percepção comum de divindade, não atribuas a ela nada que seja incompatível com a sua imortalidade, nem inadequado à sua bem-aventurança; pensa a respeito dela tudo que for capaz de conservar-lhe felicidade e imortalidade.
Os deuses de fato existem e é evidente o conhecimento que temos deles; já a imagem que deles faz a maioria das pessoas, essa não existe: as pessoas não costumam preservar a noção que têm dos deuses. Ímpio não é quem rejeita os deuses em que a maioria crê, mas sim quem atribui aos deuses os falsos juízos dessa maioria. Com efeito, os juízos do povo a respeito dos deuses não se baseiam em noções inatas, mas em opiniões falsas. Daí a crença de que eles causam os maiores malefícios aos maus e os maiores benefícios aos bons. Irmanados pelas suas próprias virtudes, eles só aceitam a convivência com os seus semelhantes e consideram estranho tudo que seja diferente deles.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

1º Seminário de Gestão Socioambiental em Unidades de Conservação do Parque Nacional da Tijuca 2011



Balizamento Náutico - Sinais Cardinais

Os Sinais Cardinais são destinados a indicar o quadrante onde a navegação é mais segura. Assim, ao avistar um Sinal Cardinal Norte, por exemplo, o navegante saberá que a via mais propícia estárá situada ao norte do sinal.
Como todos os sinais, os Cardinais têm características próprias (cor, forma, marca de tope, cor da luz e ritmo de apresentação da luz) que os distinguem dos demais sinais.

Sinal Cardinal Norte

Cor: Preta acima da amarela.
Forma: Pilar ou charuto.
Marca de tope: Dois cones pretos, um sobre o outro, ambos com os vértices apontados para cima.
Cor de luz: Branca.
Ritmo: Lampejos rápidos ou muito rápidos.




Sinal Cardinal Leste

Cor: Preta com uma faixa horizontal amarela no meio.
Forma: Pilar ou charuto.
Marca de tope: Dois cones pretos, um sobre o outro, unidos pelas bases.
Cor de luz: Branca.
Ritmo: Grupos de lampejos triplos muito rápidos a cada 5 segundos ou rápidos a cada 10 segundos.




Sinal Cardinal Sul

Cor: Amarela acima da preta.
Forma: Pilar ou charuto.
Marca de tope: Dois cones pretos, um sobre o outro, ambos com os vértices para baixo.
Cor de luz: Branca.
Ritmo: Grupos de 6 lampejos muito rápidos seguidos por um lampejo longo a cada 10 segundos ou lampejos rápidos seguidos por lampejo longo a cada 15 segundos.


Sinal Cardinal Oeste

Cor: Amarela com uma faixa horizontal preta no meio.
Forma: Pilar ou charuto.
Marca de tope: Dois cones pretos, um sobre o outro, unidos pelos vértices.
Cor de luz: Branca.
Ritmo: Grupos de 9 lampejos muito rápidos a cada 10 segundos ou os mesmos lampejos rápidos a cada 15 segundos.




Para o canoista, os Sinais Cardinais, da mesma forma que os Sinais Laterais, indicam onde as embarcações maiores deverão passar. Logo, deve ficar atento aos outros barcos quando estiver navegando pelo caminho indicado pelo balizamento e, se possível, se não houver impedimento ou risco, deverá deixar livre a passagem.

Resumindo em imagem:
Tudo sobre balizamento náutico:
Fonte: DHN

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

XXXXI Meia Maratona de Canoagem da Escola Naval

A Escola Naval convida a tododos canoistas para sua tradicional meia maratonaprova mais uma festa , instituição de ensino superior mais antiga do país e responsável pela formação dos futuros Oficiais da Marinha do Brasil, incentiva as atividades que desenvolvam o respeito e o amor pelo mar, bem como o fomento de uma mentalidade marítima. Imbuída deste espírito, promove, ininterruptamente, há sessenta e seis anos, esse evento.


Consagrada a Maior Regata da América Latina, a 66ª Regata Escola Naval acontecerá no dia 09 de outubro de 2011 a partir das oito horas, num evento composto por diversas atividades, tais como apresentações de música e dança, exposições, animação infantil e por velejadores de renome internacional na raia da Escola Naval, sem falar da tradicional feijoada.

Será um domingo de festa na Ilha de Villegagnon, onde são esperadas cerca de cinco mil pessoas.



Faça sua inscrição através dos formulários disponíveis para download:

Inscrição para MONOTIPOS.

Inscrição para OCEÂNICOS.

Inscrição XXXXI Meia Maratona de CANOAGEM

Os formulários preenchidos deverão ser enviados por e-mail para:

gven@en.mar.mil.br

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Tipos de Nuvens

As nuvens se formam quando o ar atinge uma temperatura abaixo do ponto de orvalho e se condensa. Na troposfera, o ar se resfria em altitude, logo, quando uma massa de ar sobe, tende a se condensar formando nuvens.
As massas de ar ganham altitude quando: o ar quente é empurrado para cima por uma massa de ar frio, mais pesada, se deslocando rente ao solo; o ar é aquecido pela superfície da terra, dilatando-se, ficando mais leve e subindo; o ar em deslocamento sobe ao longo de uma encosta ou relevo do terreno.
Existem dez tipos principais de nuvens que podem se apresentar isoladas ou associadas entre si.
O desenho abaixo mostra uma síntese desses tipos de nuvens.
É importante reconhecer os tipos de nuvens, pois revelam as condições do tempo. Nuvens são mensageiras do tempo.

Cirros (Ci)
Nuvens altas, brancas; delicadas; com aspecto de filamentos de lã e sem sombras, que se acumulam num céu claro. Em geral indicam bom tempo mas quando têm as pontas retorcidas, com aspecto de rabos de galos, apontam uma mudança do tempo.

Cirros-estratos (Cs)
Véu de aparência leitosa que cobre o céu gradualmente formando halos em torno do sol e da lua. É sinal de aproximação de uma área de baixa pressão e de chuva iminente.

Cirros-cumulos (Cc)
Esbranquiçadas e transparentes, dispostas em linhas ou ondas, aparecem como pequenos flocos parecendo ondulações da areia da praia. Não têm sombras. Indicam bom tempo.

Alto-estratos (As)
Formam um véu grosso e mais escuro que as Cs, ofuscando o sol e a lua. Alerta para a formação de uma área de baixa pressão com aproximação de chuvas, baixa visibilidade e ondas grandes.

Alto-cumulus (Ac)
Apresentam-se de forma regular em lâminas, faixas, rolos ou em pedaços. Sua cor varia do branco brilhante ao cinza. Quando baixas e grossas, podem produzir chuva forte e trovoadas, mas que não duram muito tempo.

Estrato-cumulos (Sc)
Podem ter aspecto de lâminas, rolos ou glóbulos, com contornos imprecisos e cor cinza. Raramente geram chuvas.

Estratos (St)
Nuvens baixas se apresentando como nevoeiros dispostos em camadas horizontais formados pelo resfriamento do ar sem movimento ascendente. As estratos podem ser bastante espessas e cobrir completamente a luz do sol, mas produzem apenas uma fina garoa como precipitação.

Nimbo-estratos (Ns)
Camada de nuvens baixas, espessas e negras, sem forma precisa, que anunciam mau tempo, com chuva, vento forte e difíceis condições de navegação, principalmente para pequenas embarcações. Podem ser acompanhadas por fragmentos soltos de estratos quando há vento forte.

Cumulus (Cu) 
Grandes nuvens brancas e brilhantes localizadas em altitudes médias. Típicas de verão, quando o ar aquecido pela superfície sobe, formando nuvens em forma de flocos de algodão com áreas brilhantes e outra sombreadas. Quando pequenas, as cúmulos se dissolvem à noite e indicam bom tempo.

Cúmulo-nimbos (Cb)
Nuvens muito altas, com grande desenvolvimento vertical e aspecto de couve-flor (cumulocongestus) anunciam pancadas de chuva e trovoadas na parte da tarde. Quando o crescimento é muito acentuado, tomam aspecto de torres com topo achatado em forma de bigorna e uma aparência escura e tempestuosa, alertando para uma tempestade com ventos e chuvas fortes, raios e trovoadas.
Fonte:

terça-feira, 13 de setembro de 2011

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Balizamento Náutico - Sinais Laterais

Ainda que não seja obrigatório ao canoista ter habilitação para conduzir seu caiaque ou canoa, é desejável, para sua própria segurança, conhecer e identificar os auxílios à navegação.
Os auxílios à navegação são estruturas utilizadas para sinalização náutica. Servem para indicar o caminho mais seguro para uma embarcação, revelar perigos ocultos ou mostrar vias preferenciais. Os tipos mais comuns são as bóias (balizas flutuantes) e as balizas fixas.
Bóias são dispositivos flutuantes, luminosos ou cegos, colocados onde seja necessário orientar o navegante fornecendo uma indicação particular sobre a área navegada. As bóias também podem ser dotadas de algum sinal sonoro quando instaladas em local sujeito a baixa visibilidade.
Bóias e balizas apresentam algumas características que permitem diferenciar umas das outras. Essas características são: marca de tope; forma; ritmo e apresentação da luz (quando há).
Desde 1980 existe um acordo entre nações pertencentes à Associação Internacional de Balizamento Marítimo (IALA na sigla em inglês) que estabeleceu o atual Sistema de Balizamento. Nesse acordo foram definidos cinco tipos de sinais de balizamento:
Sinais Laterais;
Sinais Cardinais;
Sinais de Perigo Isolado;
Sinais de Águas Seguras e
Sinais Especiais.
Desses sinais, os únicos não unificados completamente foram os Sinais Laterais. Para estes foi preciso estabelecer uma região "B", abrangendo as Américas e o Japão, e uma região "A", abrangendo o resto do mundo.
Na região "B", na qual o Brasil está incluído, para quem chega do mar os sinais encarnados devem ser deixados por boreste do barco, e os verdes por bombordo. Nos países da região "A" se dá o inverso. É importante ressaltar que a diferença entre os sinais laterais das duas regiões está somente na cor, ou seja: na região "B" o sinal de Bombordo é cilíndrico e verde e o Sinal Lateral de Boreste é cônico e encarnado, enquanto na região "A" o Sinal Lateral Bombordo é cilíndrico e encarnado e o Sinal Lateral de Boreste é cônico e verde. 
Os sinais laterais são utilizados para indicar um caminho seguro principalmente perto da costa, dentro de portos, marinas, canais ou vias estreitas. 
Na Enseada de Botafogo podemos ver esses sinais delimitando as vias de acesso ao Quadrado da Urca, Iate Clube, Clube Guanabara e G-Mar.
É bom deixar claro que uma embarcação a vela ou motor deve transitar dentro da via delimitada pelos Sinais Laterais, mas o canoista, tanto quanto possível, deve manter-se fora dela e quando for nercessário atravessá-la, buscará o trajeto mais perpendicular possível.
Os Sinais Laterais apresentam variantes para identificar um canal preferencial quando existe uma bifurcação. O Sinal de Bombordo modificado tem uma faixa encarnada na horizontal e indica um Canal Preferencial a Boreste, e o Sinal de Boreste modificado é cortado por uma faixa verde e indica um Canal Preferencial a Bombordo.
O canoista, como o ciclista aliás, vai procurar a via de trafégo menos pesado, assim, ao avistar um sinal de canal preferencial na entrada de um porto, tentará ficar fora dele.
Fontes:
"Navegar é Fácil" de G.L.M. de Barros
"Mestre Amador" de J.R.C. Felipe
Veja também

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Sete de setembro

De Icaraí à Urca
Fotos da Letícia

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

ACOAR OPEN - OCEAN KAYAK - 2011

Repassando informação enviada pelo Marcelo Lopes, Presidente da ACOAR:
Prezado(a)s,
Boa tarde para todos e todas!
Estou encaminhando em anexo* o caderno do 3º ACOAR OPEN - OCEAN KAYAK - 2011, que ocorrerá no dia 25 de setembro próximo, e está aí para o conhecimento de todos.
Informo que ela é referente ao aniversário de 19 anos de nossa associação.
No dia 24 de setembro após a reunião técnica, teremos uma festa bacana, com um luau na praia.
A presença de todos é fundamental, a festa é nossa! Para aqueles que forem remar o trajeto é belíssimo, ímpar.
A galera geral do surfski e da Canoa Polinésia do RJ, também estarão na prova.
Abraço e bons treinos.
Obrigado.
Atenciosamente,
Marcelo Lopes
Presidente
* Peça o caderno de instruções diretamente ao Marcelo.
Ou acesse o site da ACOAR

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Movimento Pró Ciclovia e Mobilidade Urbana

Queridos e queridas.
Juntem-se a nós neste grande encontro, pró um sistema cicloviário para os bairros de Laranjeiras e Cosme Velho.
Dia 7/09, às 09:00h, venha de bicicleta, skate, patins, a pé, triciclo ou cadeira de rodas ao Largo do Machado. Seguiremos pela rua das Laranjeiras até o Cosme Velho, num passeio divertido, ao som da Ciclophonica e em companhia da Bike Angels, VeliMobi e Passeio Completo. Após passar por locais bucólicos da região, nos reuniremos na Praça São Judas para dialogar sobre mobilidade urbana. O convite é para todos os adeptos, curiosos e simpatizantes do transporte movido a propulsão humana. Cada ciclovia, ciclofaixa ou bicicletário instalado, é uma pedalada a caminho da transformação da cidade num espaço mais agradável, que prioriza as pessoas e a qualidade do nosso meio ambiente.
Calibre os pneus, divulgue, e compareça!
EQUIPE Cidades em Transição
Laranjeiras e Cosme Velho