Intermediários

Processos, ferramentas e ambientes para objetivos subjetivos

O que é invisível a nós? Que coisas escapam aos cinco sentidos, que estão presentes mas não podem ser definidas? Ou seria a pergunta, o que é o invisível?

Um objeto é comum. Porém quando é portador de um poder, o que passa a ser? Um talismã, uma arma, um instrumento? O poder transforma o objeto em um veículo, uma ferramenta que permite ao seu operador realizar o objetivo proposto. Igualmente, uma área quando designada e delimitada passa a ser o espaço que possibilita o acontecimento do objetivo proposto. E interessam também os espaços de fronteiras pouco definidas, como são os espaços emocionais e espirituais, da mesma forma os dos sonhos e os das fantasias. Espaços estes que são abstratos e impalpáveis, que se permeiam e se confundem entre si, onde entramos e de onde saímos constantemente sem nos dar conta.

Os objetos-espaços atuam entre o físico, o psicológico, o emocional e o invisível. São intermediários e como tal passam a depositários de possibilidades, poderes e anseios. Pontuam o silêncio. São ações poéticas que existem no vazio entre as continuidades.

Rodrigo Cardoso, 2006

domingo, 22 de dezembro de 2013

Viagem pela Ilha Grande em caiaques oceânicos: lista de tralhas e trecos


A lista pode variar muito em função da duração da viagem, da região, do clima local, de escolhas pessoais...
Segue um exemplo pessoal de check-list para uma viagem de seis dias em torno da Ilha Grande no verão.

NO MAR

caiaque + remo

No convés de proa:
-paddle float
-bomba
-cabo de proa
-carta
-bússola
-trip planner
-luva de raspa de couro

No convés de popa:
-remo reserva

Na cabine:
-lanche
-água
-esponja
-cabo ensacado (30m)
-kit reparo (silver tape+durepoxi)
-protetor solar

+ Material de navegação:
-compasso
-transferidor
-régua
-lápis
-borracha
-tábua de marés