Intermediários

Processos, ferramentas e ambientes para objetivos subjetivos

O que é invisível a nós? Que coisas escapam aos cinco sentidos, que estão presentes mas não podem ser definidas? Ou seria a pergunta, o que é o invisível?

Um objeto é comum. Porém quando é portador de um poder, o que passa a ser? Um talismã, uma arma, um instrumento? O poder transforma o objeto em um veículo, uma ferramenta que permite ao seu operador realizar o objetivo proposto. Igualmente, uma área quando designada e delimitada passa a ser o espaço que possibilita o acontecimento do objetivo proposto. E interessam também os espaços de fronteiras pouco definidas, como são os espaços emocionais e espirituais, da mesma forma os dos sonhos e os das fantasias. Espaços estes que são abstratos e impalpáveis, que se permeiam e se confundem entre si, onde entramos e de onde saímos constantemente sem nos dar conta.

Os objetos-espaços atuam entre o físico, o psicológico, o emocional e o invisível. São intermediários e como tal passam a depositários de possibilidades, poderes e anseios. Pontuam o silêncio. São ações poéticas que existem no vazio entre as continuidades.

Rodrigo Cardoso, 2006

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

USP lança banco com 11 mil imagens de biologia marinha

Boas ondas de informação
Já é útil para quem conhece. Para quem não conhece sera uma ótima oportunidade
Contemplando as boas imagens, veja o Livro: Esponjas das Ilhas Oceânicas Brasileiras, escrito por Fernando Moraes do Museu Nacional .
Grande parte destes animais citados nas bibliografias acima tambem fazem parte da fauna encontrada nas Ilhas Cagarras.
Vejam que não é tão dificil ter um patamar para dar início a um estudo da necessidade real da zona de amortecimento da UC Cagarras.
Abraço a todos
Sergio Jordão

Nenhum comentário:

Postar um comentário