Intermediários

Processos, ferramentas e ambientes para objetivos subjetivos

O que é invisível a nós? Que coisas escapam aos cinco sentidos, que estão presentes mas não podem ser definidas? Ou seria a pergunta, o que é o invisível?

Um objeto é comum. Porém quando é portador de um poder, o que passa a ser? Um talismã, uma arma, um instrumento? O poder transforma o objeto em um veículo, uma ferramenta que permite ao seu operador realizar o objetivo proposto. Igualmente, uma área quando designada e delimitada passa a ser o espaço que possibilita o acontecimento do objetivo proposto. E interessam também os espaços de fronteiras pouco definidas, como são os espaços emocionais e espirituais, da mesma forma os dos sonhos e os das fantasias. Espaços estes que são abstratos e impalpáveis, que se permeiam e se confundem entre si, onde entramos e de onde saímos constantemente sem nos dar conta.

Os objetos-espaços atuam entre o físico, o psicológico, o emocional e o invisível. São intermediários e como tal passam a depositários de possibilidades, poderes e anseios. Pontuam o silêncio. São ações poéticas que existem no vazio entre as continuidades.

Rodrigo Cardoso, 2006

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Aniversário do Marquinhos Faísca no Forte da Laje

Marquinos é um bom companheiro de remadas. Ele pode ser visto quase todo dia na PU com o Bruno e a turma do Kayak Carioca. Hoje foi dia de fazer uma homenagem ao nosso amigo lá no Forte da Laje e comemorar seu aniversário.
Às 7 horas um grupo de 8 remadores zarpou debaixo de um céu  partido: metade azul, outra metade coberta de nuvens escuras escondendo o Cristo Redentor. Dia de remar de leve, dia de cantar 'parabéns pra você'.


Os caiaques foram amarrados na corda pendurada na ponte. Subimos pela escada da muralha, desobstruída durante a semana pelo pessoal do ECCO e do CRG. Preparamos uma mesa com pasteizinhos, coca-cola e torta levados pelo Bruno, cantamos o parabéns e depois entramos na escuridão do forte para uma visita rápida.






Dia também de voar...
- É um pássaro? Um avião?
- Não. É a dupla Faísca e Fumaça em ação!


Dia de fotos com a máquina nova...


Depois da festa fui levar meu caiaquinho de plástico até a PV onde ficará durante o verão aos cuidados do Jorge. Esse percurso foi meio pauleira pois o barco é lento, e vento e ondas não estavam de brincadeira. Mas apesar do esforço cheguei bem, pronto pra encarar o calor e o trabalho. 

Um comentário:

  1. Pô, ninguém me convidou? Parabéns Marquinhos! Sobrou um pedacinho de bolo pelo menos?
    Legal essa limpeza do forte e a colocação da escadinha nova, o lugar merece, a história pede!

    ResponderExcluir