Intermediários

Processos, ferramentas e ambientes para objetivos subjetivos

O que é invisível a nós? Que coisas escapam aos cinco sentidos, que estão presentes mas não podem ser definidas? Ou seria a pergunta, o que é o invisível?

Um objeto é comum. Porém quando é portador de um poder, o que passa a ser? Um talismã, uma arma, um instrumento? O poder transforma o objeto em um veículo, uma ferramenta que permite ao seu operador realizar o objetivo proposto. Igualmente, uma área quando designada e delimitada passa a ser o espaço que possibilita o acontecimento do objetivo proposto. E interessam também os espaços de fronteiras pouco definidas, como são os espaços emocionais e espirituais, da mesma forma os dos sonhos e os das fantasias. Espaços estes que são abstratos e impalpáveis, que se permeiam e se confundem entre si, onde entramos e de onde saímos constantemente sem nos dar conta.

Os objetos-espaços atuam entre o físico, o psicológico, o emocional e o invisível. São intermediários e como tal passam a depositários de possibilidades, poderes e anseios. Pontuam o silêncio. São ações poéticas que existem no vazio entre as continuidades.

Rodrigo Cardoso, 2006

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Cotunduba, meu amor

Apenas uma foto, só pra lembrar o quanto somos privilegiados.
Passei semanas sem remar. Estava com dor nas costas, um pouco resfriado e com receio de piorar.
Ontem fui até a PV pra ver o mar. Estava de roupa social, não fui remar, mas aí aparece o Pedro, Teté e Eduardo e pronto, lá vai eu. Vai eu ficar cheio de dores e me arrepender, e nem tenho um short.

Mas quem tem amigos não morre pagão nem sem calção, o Twigg me emprestou o dele e foi de sunga.
Quando voltei estava revigorado. Meu resfriado soltou com a água do mar e minhas dores nas costas estão quase boas. Não sei se foram as ondas, se foi o sol, se foram os amigos... Foi tudo junto.
Sei que sou um felizardo, e agradeço por tudo que a canoagem me dá.


Nenhum comentário:

Postar um comentário