Intermediários

Processos, ferramentas e ambientes para objetivos subjetivos

O que é invisível a nós? Que coisas escapam aos cinco sentidos, que estão presentes mas não podem ser definidas? Ou seria a pergunta, o que é o invisível?

Um objeto é comum. Porém quando é portador de um poder, o que passa a ser? Um talismã, uma arma, um instrumento? O poder transforma o objeto em um veículo, uma ferramenta que permite ao seu operador realizar o objetivo proposto. Igualmente, uma área quando designada e delimitada passa a ser o espaço que possibilita o acontecimento do objetivo proposto. E interessam também os espaços de fronteiras pouco definidas, como são os espaços emocionais e espirituais, da mesma forma os dos sonhos e os das fantasias. Espaços estes que são abstratos e impalpáveis, que se permeiam e se confundem entre si, onde entramos e de onde saímos constantemente sem nos dar conta.

Os objetos-espaços atuam entre o físico, o psicológico, o emocional e o invisível. São intermediários e como tal passam a depositários de possibilidades, poderes e anseios. Pontuam o silêncio. São ações poéticas que existem no vazio entre as continuidades.

Rodrigo Cardoso, 2006

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Limpeza das Cagarras

Sábado passado, por iniciativa do Conselho Consultivo da Unidade de Conservação das Cagarras, um grande grupo de pessoas, membros de diversas entidades que compõe o Conselho, esteve na Cagarras para um mutirão de limpeza. O dia estava lindo e tivemos boas surpresas.
 
A primeira foi justamente o grande número de pessoas engajadas na ação. A segunda  foi encontrar um mar camarada dando excelentes condições de desembarque na Comprida e na Ilha das Palmas. Outra foi ter encontrado menos lixo do que habitualmente. Apesar das boas surpresas, ainda assim a quantidade de lixo e excrementos humanos é maior do que o desejado por quem ama essas ilhas.
Aproveito para fazer minhas as palavras de agradecimento do Luiz lá do Marimbás, fotógrafo e ambientalista, amante das Cagarras que mantém um site maravilhoso sobre as ilhas (http://www.cagarras.com.br/) e que foi um dos grandes responsáveis pelo sucesso do evento. 
Então, usando as palavras do Luiz, meu muito obrigado aos bravos canoístas do CCC (e também do CRG e da ECCO) que além de remarem até as ilhas, ainda tiveram força para ajudar na limpeza; aos mergulhadores do Pedro Bonfatti (Mar do Mundo) que vestiram a camisa até debaixo d'água; ao Francisco Potiguara e Paula (Viva Rio) pela arte da bela camisa e pelo patrocínio da mesma junto a Ondas e Trilhas; ao Marcelo Szpilman (Instituto Aqualung) e ao Hildon Carrapito (Limpeza na Praia -IA) pelas sacolas degradáveis e luvas usadas no evento; ao Carlos Augusto Rangel (UFF), Fernando Moraes (Museu Nacional) e Daniela Batista (Instituto Mar Adentro) que documentaram o evento para o Projeto Ilhas do Rio, ao Flavio Carneiro (FEMERJ), que com sua experiência tornou mais fácil e seguro o desembarque nas ilhas; a Marina da Glória por receber e dar um destino ao lixo coletado; a Liliane Lodi (Instituto Aqualie) por elaborar as planihas usadas para contabilizar o lixo; ao Sergio Jordão (Colônias Z7 e Z8), Luiz Varela (Colônia Z13) e Pedro Bonfatti (Mar do Mundo), por disponibilizarem suas embarcações para a atividade; ao Ricardo Zaluar (Petrobrás) e ao Fernando (IBAMA) que entraram na mata para remover o lixo soterrado; a Francyne Vieira (FIPERJ), que subiu sem medo o costão da ilha Palmas para ajudar nosso grupo; à Katia Janine, Pedro Marins e Luiz Varela (Colônia Z13), pelo empenho e mobilização; ao pessoal do Projeto Grael; a Tatiana Teixeira de Melo (Capitania dos Portos); ao Marcelo Pessanha, Sylvia Chada, Paulo Motta, Fabiana Bicudo e demais integrantes do ICMBio por abraçarem a ideia da limpeza; ao meu amigo, José Carlos Sá (RIOTUR) pela ajuda na intermediação com a Comlurb e a todos que estiveram presentes e colaboraram direta e indiretamente para o sucesso do evento.
É bom que se diga que todo o trabalho foi realizado sem importunar as aves que nidificam nas ilhas. 
Segue link para as fotos do Luiz.
O resultado da catação feita pelos 15 canoistas presentes foi:
Sacolas plásticas = 24
Garrafas PET = 15
Copinhos descartáveis = 7
Potes = 3
Embalagens de biscoito = 4
Cordas de nylon = 5
Linhas de pesca = 6
Carretel vazio = 1
Jornais e revistas = 9
Garrafas de vidro = 7
Pedaços de vidro = 5
Latas de alumínio = 12
Latas de tinta = 1
Suporte de alumínio = 2
Pneus = 1
Roupas = 2

Valeu muito, pessoal!!!

3 comentários:

  1. Parabéns moçada! Vamos fazendo a nossa parte...

    ResponderExcluir
  2. Valeu pela força. É bom saber que gente colocando energia positiva na atmosfera. Esses mutirões estão se tornando um hábito. Servem pra chamar atenção e são excelentes pretextos pra remar com a galera. Um prazer!

    ResponderExcluir