Intermediários

Processos, ferramentas e ambientes para objetivos subjetivos

O que é invisível a nós? Que coisas escapam aos cinco sentidos, que estão presentes mas não podem ser definidas? Ou seria a pergunta, o que é o invisível?

Um objeto é comum. Porém quando é portador de um poder, o que passa a ser? Um talismã, uma arma, um instrumento? O poder transforma o objeto em um veículo, uma ferramenta que permite ao seu operador realizar o objetivo proposto. Igualmente, uma área quando designada e delimitada passa a ser o espaço que possibilita o acontecimento do objetivo proposto. E interessam também os espaços de fronteiras pouco definidas, como são os espaços emocionais e espirituais, da mesma forma os dos sonhos e os das fantasias. Espaços estes que são abstratos e impalpáveis, que se permeiam e se confundem entre si, onde entramos e de onde saímos constantemente sem nos dar conta.

Os objetos-espaços atuam entre o físico, o psicológico, o emocional e o invisível. São intermediários e como tal passam a depositários de possibilidades, poderes e anseios. Pontuam o silêncio. São ações poéticas que existem no vazio entre as continuidades.

Rodrigo Cardoso, 2006

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Sábado de paz nas águas da BG

A ideia era sair não muito cedo com Leo, Érika e Ricardo, os mais novos remadores das beiradas, pra um passeio até o Forte da Laje. Começamos os preparativos às 8:30 e logo tivemos o privilégio da companhia eletrizande do Wagner que contagiou a todos com sua animação.
Uma canoa do UCC saiu cheia de crianças, tendo o Tio Paulo no leme. Fiquei vendo a farra da gurizada entrando na canoa, imaginando a aventura que fariam e as estórias que teriam pra contar.

O tempo parecia que ia ficar no lusco fusco, mas não demorou pro sol botar seus raiozinhos de fora. O trajeto foi feito morosamente. Pra quem está começando não é facil condicionar os braços ao esforço da remada, mas tudo é uma questão de tempo e de prática.

Na travessia do canal entre o Cara de Cão e a laje do forte a corrente puxava pra fora e as ondas ofereciam boa diversão. Levamos uns 30 minutos para chegar,  amarramos os caiaques na corda pendurada na ponte e subimos pela escada da murada.

Lá do topo, a vista de toda entrada da baía, com as praias de Adão e Eva, a Fortaleza de Santa Cruz, o Forte São José e, lá longe, a ponte, o MAC de Niterói... Ficamos de conversa fiada até 11:30 e, na volta, antes de passar pela Praia de Dentro pra contemplar a Fortaleza e os barquinhos coloridos fundeados na enseada perto do Bar Urca, encontramos Marquinhos levando uma nova canoista na proa da kaiarca, acompanhado de perto pelo Nadaver e Renata, sorridentes na canoa nova, linda de azul e amarelo.




Mais adiante, Marcão na Te Mahana e o Átila num 4.3 da Itaipú também tinham vindo passar o dia nas águas da baía.



As águas da BG continuam turvas, espumosas e cheias de lixo flutuante, mas no seu dorso gentil encontramos muitos amigos com quem conversar e partilhar esses momentos únicos de paz e contemplação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário