Intermediários

Processos, ferramentas e ambientes para objetivos subjetivos

O que é invisível a nós? Que coisas escapam aos cinco sentidos, que estão presentes mas não podem ser definidas? Ou seria a pergunta, o que é o invisível?

Um objeto é comum. Porém quando é portador de um poder, o que passa a ser? Um talismã, uma arma, um instrumento? O poder transforma o objeto em um veículo, uma ferramenta que permite ao seu operador realizar o objetivo proposto. Igualmente, uma área quando designada e delimitada passa a ser o espaço que possibilita o acontecimento do objetivo proposto. E interessam também os espaços de fronteiras pouco definidas, como são os espaços emocionais e espirituais, da mesma forma os dos sonhos e os das fantasias. Espaços estes que são abstratos e impalpáveis, que se permeiam e se confundem entre si, onde entramos e de onde saímos constantemente sem nos dar conta.

Os objetos-espaços atuam entre o físico, o psicológico, o emocional e o invisível. São intermediários e como tal passam a depositários de possibilidades, poderes e anseios. Pontuam o silêncio. São ações poéticas que existem no vazio entre as continuidades.

Rodrigo Cardoso, 2006

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Trip de kayak oceânico em Búzios

No último fim de semana, remadores do Clube Carioca de Canoagem estiveram em Búzios para uma daquelas remadas cheias de aventuras e diversão. 
A proposta partiu do Rafael Machado e do Roberto Milita e foi logo encampada pela Carla, Jorginho, Flávio, Marquinhos, Gustavo, Ana e Zé Carlos. 
A organização do Rafael foi espetacular, nada foi deixado ao acaso. Cuidou das reservas na pousada, distribuição de carros e caiaques, autorizações de trânsito em estradas (AET), itens de segurança, verificando até mesmo a Carta Piloto. Show de bola!
Quer remar também? Associe-se ao Clube Carioca de Canoagem e descubra o caiaque oceânico.

Seguem as fotos do Jorge Marques-Jorginho e Milena.


Roteiro planejado:


O Jorginho estava explicando que, "na verdade, o percurso do primeiro dia ficou diferente do roteiro planejado (Manguinhos-Geribá) devido às condições do mar. Decidimos inverter, começamos em Geribá e terminamos em Manguinhos. Nossas duas grandes preocupações eram que o mar em Geribá estava com ondas e iria dificultar o desembarque na chegada, e que não queríamos encarar a parte mais desabrigada depois de remar de Manguinhos até João Fernandes. Preferimos encarar as ondas no lançamento e remar o trecho mais exposto (Geribá-João Fernandes) descansados e desfrutarde uma remada tranquila de João Fernandes à Manguinhos"

Na Urca


1° dia: de Geribá a Manguinhos
 
João Fernandes
Azeda




2° dia: de Geribá a Cabo Frio
 
Geribá
Ilha Comprida
Chegada na Ilha do Japonês
Ilha do Japonês

Vejam também as fotos do Gustavo Spock Dias

Clique aqui para ver os vídeos




Um comentário:

  1. Fim de semana maravilhoso!!!
    Adorei a remada, apesar de ter permanecido com os meus pés em terra!!!
    O Clube está de parabéns!!!
    Meninos vocês foram incríveis!!!

    ResponderExcluir